Say what? 11 anos de Hannah Montana

Era pra ser um dia comum e provavelmente escreveria sobre Veronica Mars (tô querendo falar sobre o projeto da quarta temporada faz tempo) mas eu fui lá no Twitter pela primeira vez em dias e, para meu prazer-desprazer, vi o tweet que a Babi havia me marcado junto com a Gui que tinha a hashtag #11yearsofhannahmontana.

Como diria a Miley Stewart, pink haired novelist that once looked like Avril Lavigne say what?

Hannah Montana é vista por muitos como algo vergonhoso do passado. Acho que hoje em dia não tem muito disso, porque já encontrei adultos (tipo quarentões mesmo) que se divertiam vendo a série na TV aberta, mas lembro de um passado não muito distante no Filmow onde as pessoas vinham deixar seus comentários amargurados na página da série (e de High School Musical). Mas tenho o maior prazer de contar a você que possuo todas as temporadas em DVD e que assisto os episódios bem mais do que deveria nos dias de hoje.

A verdade é que ainda sou muito julgado por ser fiel as minhas “raízes Disney” e sempre acabo visto com maus olhos por muita gente que gosta das coisas que gosto hoje em dia – tipo NirvanaBeatles. Já até me chamaram de incógnita, talvez por não terem a menor ideia de que há pesquisadores acadêmicos que associam a sonoridade das músicas ao legado do New Wave, gênero que saiu do punk. Pois é, aposto que sua mente acabou de explodir. Quero ver você dizer que o cara que passou horas estudando sobre o assunto e manja dele mais que você é louco agora!

Hannah-Montana-gifs-hannah-montana-38914891-500-266

Mesmo não pertencendo à cultura desse mundão pop louco de hoje – e pior, tô numa fase em que pouquíssima coisa dele me atrai e que cada vez mais ouço música dazantiga -, Hannah Montana me apresentou à Miley Cyrus (sou fã dela até hoje e o primeiro show que vi na vida foi dela) e foi a primeira série que acompanhei fielmente: lendo sinopse de episódios, tendo que baixar do YouTube (bons tempos em que fazer esse tipo de upload era algo comum) pra ver em inglês sempre que saia uma novidade (demoraaaaaaava pra sair no Brasil as coisas viu?) – olha que bacana: não tinha equipe pra legendar “série de criança” naquele tempo, e isso acabou me ajudando a aprender inglês!

Meus alunos hoje conhecem a Miley por suas performances ousadas e, por mais que tenham visto a série na infância, não farão ideia de como era legal viver aquilo e fazer parte da Famih, o grupinho de amigos que saiu da comunidade no Orkut, ficar horas a fio debatendo sobre as músicas do Meet Miley Cyrus e do Breakout no MSN aguardando leaks e coisas do tipo, usar foto da Miley no avatar das suas redes sociais ou ficar esperando hoooooooooras pra baixar os episódios pelo RapidShare na qualidade mais vagabunda possível só porque você era o único entre os amigos que não tinha Disney Channel.

E quando tinha os live chats no Twitcam hein??? A Miley falou comigo uma vez e eu quase morri aqui em casa!

A verdade é que Hannah Montana me deu a oportunidade de conhecer muitos amigos pelo Brasil afora na Era de Ouro da internet – mais que isso, me fez descobrir que gostava de escrever sobre cultura ao me colocar à frente de fansites (mais especificamente o Just a Fansite, a.k.a como eu conheci Babi e Gui) e coisas do tipo.

Foi tanta coisa que aconteceu graças a uma série com produção mais ou menos do Disney Channel e, quando a gente ouve de algo que parece que foi ontem com o termo “11 anos” do lado, percebemos o quanto que mudou, tudo que passou e todas essas coisas.

No fim das contas, aquela música do Hannah Montana Forever traduz muito bem o que a gente sente pela série: I’ve always got the memories while I’m finding out who I’m gonna be… We might be apart but I hope you always know, you’ll be with me wherever I go.

por Da5vi. Um meio termo entre o Will Burton e Cameron Frye. Enquanto o Ferris é o rei de matar aula (isso existe? lol), sou o rei da hiperatividade, AEHOOO!!! Fui criado pelos filmes do John Hughes e pago mó pau pros Beatles (menos pro Lennon, porque sou #TEAMGEORGE). Ah, também sou super fã da cultura punk/new wave e dos anos 80. Vim do passado, mas meu capacitor de fluxos quebrou, não sou íntimo do Doc... Acabei preso aqui! O cinco é mudo.
Primeiro dia de outono!

Yey! Chegou o outono, a minha estação do ano favorita. Não foi por acaso que meu conto em “Um Ano Inesquecível” foi inspirado por essa estação encantadora onde o clima fica mais ameno, as folhas começam a cair das árvores, as cores ficam mais bonitas e tudo pode mudar…

Outono

Se você ainda não conhece a história da Anna Julia, taí uma boa oportunidade para começar ele hoje mesmo! O livro físico e o e-book estão a venda aqui.

por Babi Dewet. Mora no Rio de Janeiro, é autora da trilogia de livros Sábado à Noite, formada em Cinema, Galaxy Defender, Caçadora de Sombras, Jedi, Sonserina, fã de Kpop, empresária neurótica, amante de gatos, doces, fanfics, séries de TV coreanas e filmes bobos americanos.
“DNCE” é meu álbum favorito de 2016

dnce-cd

por @Da5vi

2016 foi o ano mais peculiar da música pop, porque a música pop quis ser tudo… menos pop. Isso gerou uma quantidade imensurável de canções que de tanto querer soar eletrônicas, alternativas e “Lana Del Rey cool” acabaram se tornando pra lá de blasé – sem contar as inúmeras rebeliões de artistas pop que estavam ultra-cansados de não fazer nada para mudar o mundo ao seu redor.

E então veio a DNCE, com suas músicas energéticas e letras sobre ser feliz (e muito sequiçu com direito a bolo e tal) que sempre são acompanhadas de melodias retrô-anos 80 que são bem mais eletrizantes e agitadas que qualquer trabalho do Calvin Harris que não conseguiu escapar da produção excessivamente computadorizada.

Desse espírito lindo, maravilhoso e safadinho saiu o auto-intitulado álbum de estreia da banda formada por Jone JonasJinJoo LeeCole WhittleJack Lawless. O trabalho já começa com uma canção também nomeada em homenagem à DNCE que vai fazer você dançar, mesmo que seja apenas com as mãozinhas. Depois nós somos re-apresentados à Cake By The Ocean e Body Moves, músicas que viraram singles e que todo mundo já conhece e ama.

Good Day segue essa mesma coisinha anos 2000, só que na letra. Aqui fica bem mais bacana e evidente os gritos em grupo (há um termo pra eles, não lembro qual) – rolam em “Today is gonna be a good day/Don’t care what anybody else say” – e, de quebra, ainda há um baixo incrível (sou fã de baixo mesmo) aqui e ali, e te faz dançar com um som de violão de uma forma que você, vendo cover do YouTube, nunca pensou ser possível.

Almost é a quase-balada do disco e embora seja animadinha, quebra um pouco a energia traçada pelas outras sete músicas. Depois dela, voltamos para a vibe Doctor You com a música Naked, que consegue ser ainda mais eletrizante e pegajosa que a minha favorita (acontece, né), com um refrão indecente-porém-legal.

Truthfully é a balada oficial do disco e faz o mesmo des-serviço de Almost (Fazer o quê? Tem que dar um descanso para nossas pernas mesmo), mas depois de um tempo se tornou uma das minhas favoritas. Saímos desse espírito paradão com Be Mean, uma música com espírito dos anos oitenta e um ode ao universo meio 50 Tons de Cinza, e Pay My Rent, a minha favorita do EP Swaay. O álbum encerra com Unsweet, mantendo a vibe incrivelmente fantástica que faz desse disco um must have pra todo mundo que adora música feliz.

DNCE aposta num pop “como o pop deve ser” para seu álbum de estreia, e o resultado disso são músicas despreocupadas, retrôs, felizes, chicletes e INFELIZMENTE bastante atípicas para 2016. Joe quem está por trás das letras (junto com 10849849 outros compositores), e é interessante vê-lo se desprender da imagem de “rapaz do anel da virgindade” com todas essas músicas safadonas como Body Moves. Sinceramente, é também um alívio que ele não siga o caminho do pop deprê que o irmão Nick está trilhando com aquele disco mórbido que não me deu nem vontade de terminar de ouvir a primeira música.

Obrigado, DNCE, por salvar a música pop de 2016!

por Da5vi. Um meio termo entre o Will Burton e Cameron Frye. Enquanto o Ferris é o rei de matar aula (isso existe? lol), sou o rei da hiperatividade, AEHOOO!!! Fui criado pelos filmes do John Hughes e pago mó pau pros Beatles (menos pro Lennon, porque sou #TEAMGEORGE). Ah, também sou super fã da cultura punk/new wave e dos anos 80. Vim do passado, mas meu capacitor de fluxos quebrou, não sou íntimo do Doc... Acabei preso aqui! O cinco é mudo.
“Sonata em Punk Rock” versão e-book!

Novidade maravilhosa e digital!
“Sonata em Punk Rock” agora está disponível também em formato e-book. Ou seja, se você ainda não garantiu o seu ou quer levar a história maravilhosa da #TimKim para todos os cantos, não tem mais desculpa. É só passar na Amazon, Kobo ou Itunes para comprar sem nem precisar sair de casa.

ebook-sonata-blos

Para comprar:
Amazon https://www.amazon.com.br/s/…
Itunes https://itunes.apple.com/…/sonata-em-punk-rock/id1152681422…
Kobo https://www.kobo.com/br/pt/ebook/sonata-em-punk-rock

Gostou?! Então não perde tempo e depois me conta se você gosta mais de ler livros físicos ou digitais – ou tanto faz desde que sejam livros maravilhosos.

por Babi Dewet. Mora no Rio de Janeiro, é autora da trilogia de livros Sábado à Noite, formada em Cinema, Galaxy Defender, Caçadora de Sombras, Jedi, Sonserina, fã de Kpop, empresária neurótica, amante de gatos, doces, fanfics, séries de TV coreanas e filmes bobos americanos.