Entrevistando Marina Ávila

Você já pensou em ser capista e criar capas para livros de diversas editoras? Já brincou no Photoshop (ou Paint!) de inventar sua própria versão de capa pro seu livro preferido? Já sonhou em viver disso?
Pois a fofa da Marina Ávila, de apenas 21 anos vai impressionar você. Autora de capas lindíssimas como a dos livros A Floresta de Mãos e Dentes (que será lançado pela Editora Underworld), Histórias Envenenadas (editora Andross) e Os Vampiros de Morganville – Casa Glass (que será lançado pela Editora Underworld), Marina corre pela vida de freelancer e estudante e admite: às vezes mal pode sair de casa!

Confira a entrevista que Marina deu aqui pro site e tire suas curiosidades sobre a profissão de Capista.

1 – Você é muito nova e já é considerada um exemplo na sua profissão. Como foi decidir que queria ser capista? Sua família te apoiou?
Puxa, obrigada! Aconteceu sem querer. Escrevi um livro e pedi para que um amigo, Mario Domingues, ilustrasse uma personagem. Em cima disso escolhi a fonte, a disposição do texto etc. E gostei tanto que comecei a procurar tutoriais e fazer mais capas. Minha mãe sempre apoia qualquer coisa que eu queira fazer, e dá opiniões sinceras. Ela me ajuda absurdos a crescer profissionalmente e como pessoa. Decidi de forma definitiva que gostaria de trabalhar com livros quando comecei a faculdade de Produção Editorial. Tudo era tão interessante!

2 – Como foi arrumar seu primeiro trabalho sério? Pode falar um pouco dele?
Inicialmente, mandei e-mails para todas as editoras que encontrei. Recebi respostas de poucas, e uma delas foi a Andross. Como é uma editora que publica novos autores em antologias, abriu muitas portas. Até aí, fazia projetos pessoais. Inventava nomes de livros e montava a capa. Ter o primeiro trabalho sério exigiu responsabilidade e aprendi a ceder em vários aspectos. Pedi ajuda correndo para meu professor para saber algumas normas técnicas, e apelei para o Google quando precisei saber sobre o sistema de impressão de um arquivo. Comercialmente, é preciso seguir os requisitos da editora, mas isso nunca foi problema. Gosto mais de encarar como desafios.

3 – Qual a capa que fez e mais gostou? Porque?
Provavelmente “A Floresta de Mãos e Dentes” da editora Underworld. Devo ter ficado mais de um mês com ela, procurando fotos. Me sentia pressionada porque a capa alemã é maravilhosa, e o pedido foi que ficasse melhor que aquela. Quando foi finalizada e vi a boa crítica (até mesmo da autora, Carrie Ryan), percebi que trabalhar em algo que você possui afinidade, que no meu caso são os livros, é uma das melhores coisas do mundo.

4 – Quais as dificuldades de ser uma capista no Brasil? Já pensou em trabalhar pra fora?
Existe um pouquinho de subvalorização da capa. Vejo isso todas as vezes que visito uma livraria. Diria que não são tão apropriadas ao tema quanto poderiam ser. Talvez por falta de investimento da editora, não sei. Falta de bons profissionais não é! Temos ótimos no Brasil. Tirando isso, não vejo dificuldades. Só é importante para o capista estar atualizado e disposto a aprender. Estou começando a mexer os pauzinhos para conseguir trabalhos de fora também. Tenho certeza que ajudarão a aumentar a experiência.

5 – Qual capa gostaria de ter feito?
Da série Crepúsculo. Como a série fez todo esse sucesso, ajudaria muito a ficar mais conhecida! Rs.

6 – Qual foi sua primeira capa profissional?
A primeira capa profissional que fiz foi da antologia de contos chamada “Tratado Secreto de Magia”, publicada pela editora Andross. Foi muito gratificante porque é um assunto que tenho interesse, e os autores que foram publicados nesse livro simpatizaram bastante com o projeto.

7 – Como é a rotina de uma capista?
O capista freelancer, como é o meu caso, às vezes mal pode sair de casa e tem o final de semana cheio, e às vezes possui bastante tempo livre. E os projetos que tem em mão podem ficar prontos em 1 dia ou 1 semana. Às vezes a inspiração simplesmente vem, mas normalmente são feitos vários rascunhos para escolher a disposição de imagens. Para começar, é enviado o briefing (um documento que contém um resumo detalhado da obra, descrições de personagens, objetos e cenas e qualquer outro dado necessário), inicia-se uma pesquisa sobre obras do gênero e suas capas, depois os rascunhos, então a escolha de imagens, fontes e tratamento de cor. Se aprovada, é encaminhada para a gráfica.

8 – Na sua opinião, o que uma capa precisa ter?
Como o objetivo da capa é vender o livro, acredito que precise, antes de qualquer coisa, atingir o público-alvo e se comunicar com os leitores. Por isso são feitas pesquisas sobre os livros já publicados, os best-sellers etc. É muito importante ouvir a crítica dos leitores, assim os projetos ficam cada vez mais no estilo deles. À parte disso, já ouvi alguns profissionais falando que a capa tem de ser chamativa. Isso é algo que creio parcialmente. Não adianta uma capa gritar na estante e não ser comprada, por não ter uma combinação de cores e formas de bom gosto. Às vezes é melhor fazer algo menos chamativo, mas que vá conquistar a maior parte das pessoas que passar os olhos pelo livro.

9 – Se pudesse recriar alguma capa de qualquer livro já criado, qual seria?
Que pergunta difícil! Rs. Um livro que gosto muito e que seria uma tremenda honra fazer a capa é “A História sem Fim”. É uma história mágica demais para a capa que possui.

10 – Como você descreve seu trabalho?
Gosto de descrevê-lo como a transformação de uma história em imagens. É até diferente de adaptar a obra para o cinema, porque a capa precisa resumir a energia que o texto todo vai passar, e também ser desejável para o público. É criar a primeira impressão, que vai ajudar o leitor e às vezes até guiá-lo para onde o autor precisa. Honestamente, eu teria imaginado o castelo de Hogwarts menos mágico se não fosse a capa colorida de Harry Potter.

.
.
.

Para conhecer todo o trabalho de Marina entre em seu site e a adicione no Twitter.
Obrigada pela entrevista!

por Babi Dewet. Mora no Rio de Janeiro, é autora da trilogia de livros Sábado à Noite, formada em Cinema, Galaxy Defender, Caçadora de Sombras, Jedi, Sonserina, fã de Kpop, empresária neurótica, amante de gatos, doces, fanfics, séries de TV coreanas e filmes bobos americanos.

32 comentários

  1. Nat Puga disse:

    AMEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEI a entrevista, babi! Não tenho talento pra isso, mas foi mto interessante ler e saber um pouco mais!

  2. Beli disse:

    Muito legal essa profissão!!!
    Acho maravilhoso mexer no Photoshop e em programas de imagens, mas não sei se encararia essa…
    A Mariana é novinha, mas já tão dedicada aquilo que faz! Parabens para ela!
    Parabens pela entrevista!!!

  3. Núbia Esther disse:

    Adorei conhecer um pouco mais sobre a Marina. Seu trabalho é lindo e de muito bom gosto. Eu adoro uma bela capa, acho que valoriza o produto e todo o livro merece ter uma boa capa. =D

    Logo, logo minha estante vai ter os livros com as capas da Marina! \o/

  4. César disse:

    ameei a entrevista !
    quero que ela faça a capa do meu livro *–*

  5. Entrevista maravilhosa!Parabéns Babi! Sempre vejo entrevista c autores, mas nunca sobre um capista, adorei a ideia, foi muito bom conhecer o processo de produção e a Marina!
    Lindas as capas dela!
    E a capa de Floresta de Mãos e Dentes? Desde q bati o olho achei belíssima!
    Parabéns a Marina pelo bom trabalho!

    Abraço!

  6. Jubis disse:

    Virei fã dos trabalhos da Marina quando vi a capa modificada de Casa Glass e fui atrás do portfolio dela. Ótimos trabalhos!
    Bom… acho que já sei o que fazer quando terminar a faculdade: ser capista! *o*

    Adorei a entrevista!

  7. Ana Elisa disse:

    Adorei a entrevista. As capas que ela faz são maravilhosas!

  8. Muito boa a entrevista ^_^
    Eu queria ser capista depois de terminar minha faculdade de design, mas depois que o prof azedo detonou cruelmente meu trabalho, que era recriar a capa de um livro, eu desanimei ¬¬’

  9. Adoreei ela, parece ser muito simpática 😀
    Realmente, as capas dela são liindas! As três que você colocou no início do post são apaixonantes. E eu vejo demais os livros pela capa.. Tem livros ótimos com capa sem graça, o que faz parecer ele menos emocionante antes de comprar. Muita gente até muda de ideia ao escolher entre livros, porque a capa não é tão atraente.
    E admiro ela bastante, pois imagino que seja beem difícil tentar passar todos os sentimentos de um livro para uma imagem. Antigamente eu era mais viciada em photoshop do que agora, e adorava ficar criando coisas assim, mesmo que depois fossem para a lixeira do computador ahaha
    Já vou segui-la! :)

  10. Babi disse:

    Não desanima, flor!!!

  11. Marina disse:

    que maravilha!!!
    tão bom encontrar xarás criativas assim 😉
    adorei essa profissão! já vou correr pra dar uma olhadinha no portifólio dela!

  12. Augusto Moitas disse:

    Cara, que show. Adorei a entrevista, e as capas que ela fez, são demais. Quando eu escrever um livro, tomara que ela faça a capa. ;Drs

  13. Hugo Vera disse:

    Gostei da entrevista.
    Adoro os trabalhos dessa garota.
    Um dia ela fará capas para meus livros!
    😉

    Já estou te seguindo no Twitter, Marina! (até que enfim, né?)

  14. Marina Avila disse:

    Babi, adorei fazer a entrevista!
    Obrigada pela oportunidade.
    Sucesso com o blog ^_________^

    E vlw pelos comentários, folks! =D
    Bjsssss !

  15. vivenciei o início da caminhada artística da Marina, e fico mto feliz quando vejo seus trabalhos tão lindos, e a excelente profissional que se tornou. realmente, a admiro muito.
    AH! minha preferida ainda é “histórias envenenadas” :)

  16. Gisele Ávila disse:

    Eu adorei a entrevista!
    Não é só pq a Má é uma fofa e é minha prima… mas pq ela é uma pessoa cheia de talento… eu amooo ela
    e desejo todo o sucesso que ela merece!
    sucesso pra vc tbm
    valeu a oprtunidade que vc deu a ela!

    beijos

  17. Paola Cariello disse:

    Adoreeeeeeeeeeei essa entrevista. *-*
    E essas capas são DIVINAS. Mt lindas mesmoooooo
    Parabéns Marinaa!!

    =**

  18. Mayara disse:

    Adorei o post, me deixou super interessada no assunto!

    =*

  19. João Ávila disse:

    Babi, parabéns pelo blog e pela oportunidade de entrevista com a Marina.
    A Marina é, de fato, muito talentosa e merece ter espaço na mídia.
    Essa menina deve crescer muito na carreira ainda porque ama o que faz e leva a carreira com profissionalismo.
    [ ]s

  20. Babi disse:

    Concordo muito com você! Gosto de pessoas assim, talentosas e com visão de mercado e futuro! A Marina me impressionou muito =D

  21. Thainá disse:

    Nossa, ela é mesmo uma fofa e nova até! É realmente de impressionar, as capas que ela já criou são lindas! Capas são importantes, é sempre aquela primeira impressão, muito legal poder conhecer um pouquinho sobre as pessoas que as criam.

  22. Lilian Avila disse:

    Ótima entrevista. Parabéns Marina, você tem muito talento; e ver pessoas “entendidas do assunto” reconhecendo seu trabalho, que aliás, você realiza com tanto carinho e dedicação, nos deixa muito orgulhosos.
    Ah! Como mãe, posso dizer que é muito bom ver uma filha demonstrar gratidão como você demonstra a sua mãe, não só na entrevista, mas também no dia a dia como acompanhamos.
    Beijos da prima.

  23. Erica Marts disse:

    Muito boa a entrevista, adorei conhecer mais da autora de capas que tanto amoo!!!
    Sou apaixonada por capas lindas!!!!

    Bye

  24. Eu achei muito interessante essa entrevista.Primeiramente,porque é uma profissão que não se tem muito conhecimento de como ( exatamente )é , a rotina , o processo…enfim.E em segundo,acho que é algo superimportante,simplismente porque a capa é a primeira impressão que se tem do livro,as vezes podemos não fazer idéia alguma de como é a história do livro , mas pela capa podemos nos interessar ou até mesmo nos apaixonar a primeira vista pelo livro.

  25. Dana disse:

    Acho bem legais as capas dela e gosto de como ela parece se dedicar, gente que faça e goste tá faltando. haha
    Eu já até pensei em fazer também, mas ficar no photoshop não é tanto algo que eu goste pra levar a sério assim.

  26. Max Cerqueira disse:


    A Marina é muito talentosa!
    vejo pelas capas da Underworld
    que são todas lindas e todas da autoria da Marina!
    *-*

  27. Nany Vianna disse:

    Que capa mais linda de Tratado Secreto de Magia!

  28. Nany Vianna disse:

    A capa de Histórias Envenedadas também está perfeita!

  29. Jasmine Holanda disse:

    Infelizmente não tenho esse talento =( mas eu adoro fazer críticas das capas e comparar com outras e tal.

  30. Marcia Cristina C Santos disse:

    Que interessante, adorei o trabalho dela.

  31. Rissia Ribeiro disse:

    Que maravilhoso o trabalho dessa escritora !

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

CommentLuv badge