Resenha de “O Fio da Palavra” | Babi Dewet

Sobre o site

Babi Dewet tem 27 anos, mora no Rio de Janeiro, é autora da trilogia Sábado à Noite, blogueira, formada em Cinema, professora, Galaxy Defender, Jedi, Sonserina, fã de Kpop, empresária neurótica, amante de séries de TV coreanas e filmes bobos americanos.




Meu livro!



Sábado à Noite
Bastidores de um romance entre as garotas populares e os marotos do colégio, com muita música, garotos mascarados e noites estreladas dançando na praia!
- Em 2011 ganhou o prêmio Codex de Ouro na categoria Voto Popular.
- @san_livro / Facebook / Skoob
- Assista ao SANTV
- Onde comprar




Sábado à Noite 2 - Dos Bailes para a Fama
Segundo livro da trilogia que mostra como Amanda vai enfrentar o resultado de seus erros e amadurecer. Bastidores de uma adolescência regrada a amigos, paintball, festas de madrugada e muita música com um festival que vai abalar a banda mais famosa da cidade!
- Skoob
- Compre agora


Agenda


15/03 - SAN em Curitiba
30/03 - Rio Anime Club (Rio de Janeiro)

Procurar por Categorias

Últimas Resenhas

O que estou lendo


Na Estrada com os Ramones por Monte A. Melnick e Frank Meyer
Conheça o livro

Página no Facebook

Google+

Apoio




Parceria



Eu apóio







Receba os posts!

Informe seu e-mail:

Delivered by FeedBurner

Divulgação


Semana Lost Boys

Para divulgação e propaganda entre em contato.
17 mai 2012

Resenha de “O Fio da Palavra”

Quando a Galera Record me apresentou esse livrinho eu fiquei interessada, pela primeira vez, em linguagem e prosa poética. Admito, nunca gostei e ainda não gosto, mas em alguns momentos soa como um suspiro em meio a respiração. Sabe como é? A poesia sempre me incomodou muito e eu nunca soube o motivo.

O livrinho de Bartolomeu Campos de Queirós – e livrinho mesmo, tem 38 páginas que medem cerca de 20cm – tem prosa, poesia e algumas ilustrações que acompanham a pequena história. E é bonito. Tanto conteúdo quanto a diagramação. A capa dura foi uma ótima escolha, assim como os pequenos detalhes nas páginas.

Bartolomeu tenta descrever, de forma romântica, a escrita. Relacionando sempre com algo natural, primeiro enfatizando a memória e o que ele entende sobre isso. Diz coisas como “Sempre se penso, a ponta dos meus dedos coça”. Discorre então sobre a relação que seus dedos têm com o lápis que tem relação com a natureza… até chegar na aranha. Diz “Aranha não gosta de vazio. Em todo vazio ela desenha (…)” e liga essa mania de sempre preencher algum espaço com o ato da escrita. Em seu texto a aranha se transforma em sua caneta que, então, vira uma comparação super legal e bonita sobre a memória, inspiração e criatividade.

O Fio da Palavra é realmente muito pequeno e simples, não tenho muito mais o que falar dele. É bonito, mesmo pra quem não gosta de poesia. Para quem escreve, pode ser inspiração e um sopro de ar puro. É uma forma criativa de descrever a escrita! Muito indicado.

Em uma verdadeira declaração de amor à escrita, acessível a leitores de qualquer idade, o poeta enche as linhas com belas metáforas sobre o ato de escrever e a própria vida.

O Fio da Palavra é lançamento da Galera Record, de Bartolomeu Campos de Queirós. Leia o primeiro capítulo. Saiba mais sobre o livro. Adicione no Skoob.



10 Comentários em Resenha de “O Fio da Palavra”

Comente

  

  

  

Você pode usar essas tags HTML

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Powered by sweetCaptcha


CommentLuv badge